segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Das estatuas de barro...

Estava em minha sala, quando chegou a representante de uma empresa prestadora de serviços de internet, primórdios da internet. Ela entrou, apertamos as mãos, sentamos, me entregou o contrato e enquanto lia ficou observando uma estante em particular. Após assinar o contrato e entregar ela me olhou nos olhos e questionou se podia fazer uma pergunta indiscreta, até o momento não havia prestado atenção naquela pequena garota com vinte e poucos anos, olhos grandes, pele branca e seios fartos. Disse que fizesse a pergunta, ela com um belo sorriso maroto me perguntou onde havia comprado uma pequena estatua de argila com um casal transando. Sorri e disse que tinha ganhado de presente de uma amiga, ela sorriu e se despediu, mas antes pediu o numero do meu celular, dizendo que se tivesse algum problema no contrato me ligaria diretamente, sem pensar dei o numero. No período da tarde estava em uma concessionária vendo a troca de meu carro quando o celular toca, era a aquela garota baixinha de vinte e poucos anos e seios fartos dizendo que o contrato já estava encaminhado e que o serviço já estava a disposição da empresa. Escutou um barulho de oficina e perguntou onde estava, disse que em uma loja de carros, perguntou qual e falou que conhecia o gerente e que se eu quisesse falava com ele sobre um bom desconto, agradeci e senti que estava na hora de perguntar o que faria a noite. Marcamos um encontro, peguei seu endereço, mas no fim do dia começou a chover, aliás, um dilúvio! No caminho de sua casa comprei umas garrafas de vinho, na frente de seu apartamento aguardei que entrasse no carro e disse que só tínhamos uma única opção para uma noite chuvosa como aquela. Chegamos no motel, pedimos um jantar, abrimos o vinho, colocamos uma música, dançamos, o jantar chegou, conversamos, no carro tinha outra garrafa de vinho, abrimos, bebemos, conversamos mais um pouco, agora sentados no sofá bem juntos, o vinho fazendo efeito, olhei aqueles seios fartos e beijei sua boca pequena. Foi muito intenso, em poucos segundos estávamos nus no sofá e ela sentada em meu colo, comigo dentro dela, foi sua primeira gozada, com um beijo muito longo. Joguei-a na cama e disse que iria sugar sua buceta molhada, aliás, ensopada, ela ficou completamente travada, colocou suas mãos na frente e me pediu para que não fizesse isso, dizendo que ela fica muito molhada, uma cachoeira, e que tinha vergonha. Gentilmente a deitei na cama, alisei seu corpo comecei a acariciar seus seios com minha boca, aos poucos fui descendo e quando ela se deu conta já estava bebendo daquele mel maravilhoso, quanto mais bebia mais tinha, fiquei louco com toda aquela excitação, foi quando ela teve uma compulsão forte, uma contração, pernas fechadas, corpo tremendo e um forte de gozo, um jorro na minha boca. Como foi gostoso! Abracei bem forte, a virei de bruços, agora era aquela anca pequena que me deixava louco de tesão, comecei a beijar, a passar minha língua, acariciar e prepara-lo para me sentir. Ela ainda estava entorpecida, me confessou que nunca tivera gozado sendo chupada, até porque não deixava que fizessem isso, uma vez que os ex-parceiros sempre reclamaram de tamanha explosão de liquido em sua buceta, disse que eles não tinham idéia de como era gostoso beber aquele gozo. Estava receptiva, penetrei com carinho, iniciei um movimento ritmado e suave, depois mais intenso até começar a estocar seu rabo com força...tive um orgasmo intenso, beijei-a novamente e fui me fartar em sua buceta, outra tremedeira, orgasmo em minha boca, o dia estava amanhecendo, ainda escuro, pois não parava de chover e o sol tímido, seis da manhã, precisamos ir trabalhar, novamente na porta de seu apartamento, a chuva deu uma trégua, nos beijamos. Lembrei do Auto do Moura em Caruaru - PE, foi de lá que veio aquela estatua de argila.

2 comentários:

EU SOU NEGUINHA disse...

Uiiiiiiiiii...quanto frenesi.
Fiquei insana aqui !!!!
beijos insanos

Madame Poison disse...

Ta vendo o que um vinho faz???
Por isso que adoro vinhos...hehehe